Pedro Anjos Teixeira
 Sabes que este artista foi um dos melhores escultores portugueses do Século XX? Os seus trabalhos mais importantes são esculturas de pessoas (como bustos e cenas de trabalho, por exemplo), animais, história, etc. Em Sintra há um museu dedicado ao seu trabalho e ao do seu pai. A artistas com esta qualidade é comum chamarmos Mestre. Os alunos deste escultor ainda hoje se lembram dele como Mestre Pedro.
Outras informações importantes:

Sabias que...

… o monumento a D. Fernando II, em S. Pedro de Sintra, foi feito por Mestre Pedro?
Sabias que
Pedro Anjos Teixeira
Para os meus pais e professores
lerem comigo




Textos dos materiais de divulgação do museu:

Biografia

Pedro Augusto dos Anjos Teixeira – nasceu em Paris (França), a 11 de Maio de 1908 e faleceu em Sintra, no dia 20 de Março de 1997.

Filho do escultor Artur Anjos Teixeira, nasceu em Paris, tendo a sua família regressado a Portugal com o inicio da Grande Guerra, vindo residir para Lisboa e, mais tarde, para Mem Martins, no Concelho de Sintra. Por altura dos seus 16 anos, já trabalha com o seu pai , embora a obra que marca o principio da sua carreira só surja em 1935, ano da morte de seu pai. Em 1948, conclui o Curso Superior de Escultura, nas Belas-Artes de Lisboa; nesta altura possui um ateliê em Lisboa e expõe com regularidade na Sociedade Nacional de Belas-Artes, onde recebe vários prémios, nomeadamente Medalha de Honra em Escultura e 2ª Medalha em Desenho. Recebe, ainda, o 1º e 2º Prémios Soares dos Reis e o Prémio Rocha Cabral.

Nos anos 50 frequenta o Curso de Ciências Pedagógicas na Faculdade de Letras de Lisboa e, posteriormente, vem a leccionar Modelação e Desenho na Escola António Arroio, entre outras. Entretanto, defensor dos ideais neo-realistas, mostra, na sua obra o que pensa da arte e do seu papel social, o que lhe trás problemas com o regime e, graças a isso, fica durante meses sem trabalho.

Consequentemente, a sua situação financeira agrava-se e aceita um lugar de docente na Academia de Belas-Artes da Madeira, onde vive durante 21 anos.

Nos anos 80 regressa a Sintra e passa a residir no espaço que é hoje o Museu Anjos Teixeira, dinamizando também um espaço de atelier.

Cronologia

1908 – Nasceu em Paris, a 11 de Maio, filho de Artur Gaspar dos Anjos Teixeira, Escultor, e de Ester de Oliveira Franco;

1914 – Veio para Portugal com cerca de 6 anos de idade, juntamente com os pais e irmãos;

1924 – Com apenas 16 de idade começou a trabalhar com o seu pai num atelier que este possuía em Lisboa;

1932 – Matriculou-se na Escola de Belas-Artes de Lisboa, onde concluiu o Curso de Escultura;

1935 – Casou pela primeira vez com D. Zulcides Saraiva, aos 27 anos;

1941 – Obteve o Primeiro Prémio Rocha Cabral;

1948 – Obteve o Segundo Prémio Soares dos Reis;

1952-53 – Formou-se em Ciências Pedagógicas na Faculdade de Letras de Lisboa e fez as provas de admissão para o Ensino Técnico, ficando habilitado a leccionar. Foi professor na Escola António Arroio, Pedro de Santarém e na Francisco Arruda, onde leccionou disciplinas nas áreas da Modelagem e do Desenho;

1959 – Depois de ter ocupado o cargo de Presidente da Sociedade nacional de Belas-Artes, foi viver para o Funchal (Madeira), onde permaneceu durante quase vinte e dois anos;
1960 - Aceitou um lugar de docente na Academia de Música e Belas Artes da Madeira, onde foi professor de várias disciplinas – Desenho, Tecnologias da Escultura, Escultura e Gravura;

1966 – Foi Presidente da Academia de Música e Belas Artes da Madeira, onde leccionava, e fundador da Orquestra de Câmara da Madeira, onde tocou viola de arco (violeta);

1970-72 – Exerceu as funções de Director dos Cursos de Belas Artes na Academia de Música e Artes da Madeira;

1971 – Regressou a Sintra, onde veio a casar pela quarta vez, com o amor da sua vida, D. Lídia das Neves Pacheco;

1977 – A 27 de Agosto, expôs no seu atelier em Sintra – na Azinhaga da Sardinha, sob o patrocínio da Câmara Municipal de Sintra.

1980 – Inaugurou a Secção de Manuais – Subsecção de Escultura, na Colecção ‘Textos e Cadernos do Instituto Superior de Artes Plásticas da Madeira’, com o primeiro manual de Tecnologias da Escultura, elaborado e editado por este Instituto. Nos finais deste mesmo ano, regressou definitivamente a Sintra;

1983 – Publicou dois pequenos livros de histórias infantis, sobre a sua vivência enquanto criança, nos campos agrícolas em Mem-Martins – História dos Grilos, Amigos da Minha Infância e Memórias de um Grão de Trigo;

1987 – Foi agraciado pela Câmara Municipal de Sintra com a Medalha de Ouro de Mérito Municipal;

1996 – Expôs alguns dos seus trabalhos, na Galeria do Museu do Neo-Realismo, organizada pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira;

1997 – Faleceu aos 88 anos na sua casa, onde hoje é o Museu Anjos Teixeira.

 
Se encontrares algum erro nesta página ou se tiveres mais alguma informação, contacta-nos.
Também podes contribuir com a tua criatividade: envia-nos os teus textos e/ou ilustrações! Vê como aqui.