Francisco Costa
Francisco Costa é o fundador da Biblioteca Municipal de Sintra. Decorria então o ano de 1939 e o local então escolhido foi o Palácio Valenças, mas este filho de Sintra foi também um escritor, quer poeta, quer romancista.
Informações relacionadas:

Sabias que...

... este escritor tem as suas obras disponíveis na Biblioteca de Sintra?

As obras completas de Francisco Costa foram editadas pela Câmara Municipal de Sintra e estão disponíveis para consulta na Biblioteca Municipal de Sintra.
f_0000006-sq
Francisco Costa
Para os meus pais e professores
lerem comigo

Texto retirado do sítio na Web "As Tormentas", AQUI.


Biografia

Escritor português, natural de Sintra. Dirigiu a Biblioteca e o Arquivo Municipal de Sintra até 1970. Escrevendo inicialmente poesia, enveredou depois pela prosa, numa linha de «comédia humana» de cariz moralizador, centrada nas ambiências lisboetas e de algumas zonas alentejanas.

Escreveu, em poesia, Pó (1920), Verbo Austero (1925) e Algemas de Ouro (1933). Na prosa, destacam-se A Garça e a Serpente (1943, Prémio Eça de Queirós), Primavera Cinzenta (1944), Revolta do Sangue (1946), Cárcere Invisível (1950, Prémio Ricardo Malheiros), Acorde Imperfeito (1953), Nocturno Agitado (1954), Cântico em Tom Maior (1955), Escândalo na Vila (1964) e Promontório Agreste (1973).
Escreveu, ainda, um Esboço de Autobiografia Literária (1979) e um ensaio intitulado Diálogos Estéticos (1981). Em 1989, foram editadas as suas Obras Completas.




 
Se encontrares algum erro nesta página ou se tiveres mais alguma informação, contacta-nos.
Também podes contribuir com a tua criatividade: envia-nos os teus textos e/ou ilustrações! Vê como aqui.